O Velho e a Flor

sexta-feira, 17 de outubro de 2008


Por céus e mares eu andei,
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber
O que é o amor.
Ninguém sabia me dizer,
Eu já queria até morrer
Quando um velhinho
Com uma flor assim falou:
O amor é o carinho,
É o espinho que não se vê em cada flor.
É a vida quando
Chega sangrando aberta
em pétalas de amor

Vinicius de Moraes

2 Comments:

Rafa Kalado said...

Lipe.
As pessoas que te conhecem já não procuram mais o Amor, sabia?
Pois vemos em você todos os bons sentimentos, acreditamos que você sintetiza os que há (ão) de melhor ([nos completar, nas mais diversas questões e situações]).
Se sintetizar ou não o Amor, essa questão não nos assombra, pois os que nos transmite, já é mais do que nos basta.

Tu és.
pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
é um caco de vidro, é a vida, é o sol
é a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
é peroba do campo, é o nó da madeira
caingá, candeia, é o Matita Pereira
é madeira de vento, tombo da ribanceira
é o mistério profundo
é o queira ou não queira
é o vento ventando, é o fim da ladeira
é a viga, é o vão, festa da cumeeira
é a chuva chovendo, é conversa ribeira
uma ave no céu, uma ave no chão
é um regato, é uma fonte
é um pedaço de pão
é um estrepe, é um prego
é uma ponta, é um ponto
é um pingo pingando
é uma conta, é um conto
é um peixe, é um gesto
é uma prata brilhando
é a luz da manhã, é o tijolo chegando
é a lenha, é o dia, é o fim da picada
é a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
é o projeto da casa, é o corpo na cama
é o carro enguiçado, é a lama, é a lama
é um passo, é uma ponte
é um sapo, é uma rã
é um resto de mato, na luz da manhã
são as águas de março fechando o verão
é a promessa de vida em nossos corações.

Filipe Macedo said...

não tenho nem como me expressar diante desse comentário, simplesmente lindo!

amo você...continue voando sempre no meu cantinho, sempre tão seu!