quinta-feira, 4 de setembro de 2008

"Porque descobri que amar é um mistério que só é bom se continuar ser um mistério. Porque percebi que amar é uma coisa que se sente mas não se entende, e que se a gente entende pára de sentir. Ou seja, o amor a gente só entende quando ainda não sentiu, só compreende quando deixou de sentir. E a melhor receita para acabar com um amor é intelectualiza-lo, explicá-lo de outra maneira que não seja a poética, a musical que na verdade, não explicam nada, só pulsam, como o próprio amor."

4 Comments:

Adriano Veríssimo said...

Ermão...
QUANTO AMOR, hein!?
Felizardo do que conseguir tomar teu coração..torço sempre por ti!

te amo

Beijo

Aryane Pereira said...

Felipe que texto é esse?? menino tu és um poeta de mão cheia, belo blog, belo poema, e mais lindo ainda a tua sensibilidade, eu não te conheço pessoalmente mais esteja certo de que te admiro. Com relação ao amor eu tb não o conheço na verdade nem sei o que ele é, mais sempre me jogo em seu abismo rsrs.mais uma vez meus parabéns
bjus
Ary Collin

Filipe Macedo said...

Obrigado meu irmão, você é encantador...acredito que meu momento vai chegar! Aryane...que lindo comentário, volte sempre que quiser....bons ventos e obrigado por tudo!

Rosana said...

Assim eu choro... rs
que perfeição, linda definição!
é uma pena que muitas vezes sentimos o amor unilateral, poucas vezes bilateral e raríssimas vezes plurilateral...
Amei o texto, amo teu blog e mais ainda amo vc!